Antigo Restaurante Chalet da Trofa

Postal Ilustrado(editado) do Antigo Restaurante Chalet da Trofa, s/d

Começo pelo Restaurante Chalet, porque foi o que primeiro me despertou a atenção depois da Velha Estação Ferroviária já restaurada.

Postal Ilustrado(editado) da Estação Caminhos de Ferro da Trofa,
ainda em funcionamento, s/d.

Todo a área envolvente à antiga estação, desde a desactivação das linhas em 2010, está a ser alvo de uma profunda intervenção, espero que a requalificação já efectuada dê seguimento também aos restantes edifícios de comércio e habitação circundantes, que apresentam sinais de avançado estado de degradação e alguns já em ruínas.

Foto das obras de reabilitação da antiga Estação desativada,
por traz da estação a todo o comprimento podemos observar uma série de edifico, todos degradados, incluindo o pequeno chalet, que também se pode ver na imagem,

Ainda antes da construção da antiga estação, o lugar já era um centro de atividades com alguma intensidade, que justifica o aparacemimento de pequenos edifico de comércio e habitação, entre eles o pequeno mas não menos charmoso Restaurante Chalet, deve ter sido com toda a certeza um lugar bastante acolhedor não só para saborear as comidas da terra, mas também para descontrair e trocar “duas de letra” com os conhecidos que casualmente cruzavam o espaço.

Foto do Restaurante Chalet, da Trofa,
esta foto foi tirada já depois de 2010.

Configurava um belo recanto da cidade, outrora um largo, hoje a Rua Américo Moreira da Silva, entre a antiga estação dos Caminhos de Ferro e o ainda mais antigo Restaurante Chalet, representa um cenário que parece imergir de duas realidades paralelas, se por um lado contemplamos a requalificação da estação e edifícios anexos para utilização fundamentalmente cultural e de lazer, do outro lado temos uma série de edifico com identidades muito diversificadas, que partilham em comum o mau estado de conservação.


Foto das obras de reabilitação da antiga Estação desativada,
por traz da estação a todo o comprimento podemos observar uma série de edifico, todos degradados, incluindo o pequeno chalet, que também se pode ver na imagem,


Não sou habitante da cidade nem tão poco conhecedor profundo das politicas do Ordenamento do Território e Urbanisação da União das Freguesias de Bougado (São Martinho e Santiago), pelo pouco que pesquisei, a zona envolvente as Alamedas da Estação, vem sofrendo constantes alterações, mesmo antes da existência da mesma.


Igreja de São Martinho de Bougado, Igreja Matriz da Trofa

Curiosamente, o atual edifício da bela Igreja de São Martinho de Bougado, Igreja Matriz da Trofa, nasce também de um restauro e aumento, efetuado em 1916, com origem em uma pequena e antiga igreja edificado no local, cuja data de inauguração remonta a 1780 pelo então o Abade Manuel Joaquim de Oliveira.

Foto de uma porta da fachada principal do Restaurante Chalet.

Muitos outros edifícios existiram do local, foram demolidos para dar lugar a outros que possam melhor potencial a sua localização, nomeadamente a Serração António Sampaio e a antiga Central Eléctrica que durante muitos anos forneceu energia para a cidade, situavam-se onde hoje encontramos os novos edifícios de habitação da Rua de S. Martinho, também as antigas fábrica de chapéus de pelo e fábrica de tecidos Abílio da Costa Couto, importante personalidade da cidade, que por reconhecimento lhe atribuíram o nome de uma rua, foi demolida para dar lugar às já também remodeladas instalações da Ráfia.

Foto da sede da Vigent Group,
Antiga Fábrica da Ráfia, 2018

Ainda na sequência do encerramento das linhas, o Vigent Group , dono da Metalogalva e da Brasmar, comprou as instalações da Ráfia, empresa Fabril da Trofa, um reconhecido edifício industrial do século passado, foi reabilitada e modernizada para acolher todas as equipas dos serviços corporativos deste grupo, inaugurado no final de 2018.

Foto do Restaurante Chalet, da Trofa,
decorridos relativamente poucos anos,
após o devoluto do edifício, são visíveis os sinais de avançada degradação, 2018

Em 2016 foi apresentado um Programa Estratégico de Reabilitação Urbana (PERU) do Núcleo Central da Cidade da Trofa que indica a intenção do caminho a traçar pelo Município em relação as politicas a implementar na Área de Reabilitação Urbana (ARU), foi efetuado um levantamento dos pontos críticos, e estipulado um horizonte temporal limitado até o ano de 2025, para concretizar o plano, já foram dados alguns passos fundamentais no sentido da sua materialização. Sob orientações emanadas do Plano Diretor Municipal (PDM), em vigor desde Fevereiro de 2013, o presente PERU corporiza também uma das apostas políticas de maior alcance estratégico que se encontram a ser prosseguidas pelo atual Executivo camarário.

Foto da varanda, 1.º andar do Restaurante Chalet da Trofa

Fontes:
Programa Estratégio de Reabilitação Urbana do Núcleo da Cidade da Trofa, Município da Trofa, IMPROVECONSULT – CONSULTORIA E ESTUDOS, LDA., 2016.

eatrofaeminha.pt

Estação Ferroviária da Trofa, Uma Verdadeira Homenagem

Foto da Nova Estação Ferroviária da Trofa,
Inaugurada em 2010.

A nova Estação Ferroviária da Trofa, foi oficialmente inaugurada a 15 de agosto de 2010, um sufisticado projeto da Grid, empresa de engenharia civil, fundada em portugal a 1980, e edificada pela construtora Opway, que à data, pertencia ao Grupo Espírito Santo, passou posteriormente para a mão dos Gestores, e mais recentemente, em 2017, vendida à Nacala Holdings.
A interface é composta por cinco secções, divididas por dois pisos de um só edifício. No piso inferior, encontram-se as bilheteiras, uma cafetaria e uma zona comercial, e no piso superior, situam-se as plataformas e as vias, que se estendem ao longo de 3.555 metros, contempla um túnel de 1.404 metros e um viaduto de 327 metros.


Esta disposição da estação, inspirada na antiga Ponte Pênsil da Trofa, (Inaugurada em 1858 e tida como uma das “mais elegantes do Reino”, como escreveu Alberto Pimental na sua obra “Santo Tirso de Riba d’Ave” e extinta em 1934), permite a livre circulação pedonal e rodoviária, maximizando desta forma a interoperabilidade entre os diferentes meios de transporte. Os pilares interiores e exteriores das fachadas (remetem para as quatro torres centrais elevadas e as quatro torres exteriores da antiga ponte), e a chapa duplamente nervurada, auto-portante, com vãos de 4 metros, (lembram tambem as guias laterais e tabuleiro da antiga ponte).


Foto da Nova Estação Ferroviária da Trofa,
Inaugurada em 2010.


A nova gare da Trofa foi construída para substituir a antiga, que a par de sinais de degradação estrutural das linhas de circulação, em 24 de fevereiro de 2002 viu-se obrigada a encerrar o troço da linha de Guimarães entre Senhora da Hora e Trofa para ser convertido numa linha do Metro do Porto. Com efeito, o canal por onde seguia a linha foi transferido da REFER para a Metro do Porto e concluido até ao ISMAI inaugurado em 2006, o que tem gerado descontentamento na região, principalmente depois de em 2010 a empresa Metro do Porto ter retirado do seu plano de atividades o prolongamento da Linha C desde o ISMAI até à Trofa, pelo menos num curto prazo.


Foto da Nova Estação Ferroviária da Trofa,
Inaugurada em 2010.

Por outro lado, a construção da Variante da Trofa, troço onde a nova estação se encontra, permitiu o encerramento do antigo troço da Linha do Minho, que, devido ao facto de atravessar o centro da cidade da Trofa, provocava vários problemas de segurança.

Localiza-se junto à Rua Poeta Cesário Verde, nas proximidades da igreja nova.
A estação é utilizada por serviços Intercidades, Regionais da Linha do Minho, urbanos das linhas de Braga e Guimarães, e o Comboio Internacional Porto-Vigo.
Futuramente irá também conter a última paragem de metro e a central de camionagem.


Foto da Antiga Estação Ferroviária da Trofa,
reinaugurada a 18 de agosto de 2018.

A antiga Estação Ferroviária de Trofa, inaugurada em 1875 e encerrada em 2010, teve a sorte que foi negada a muitas outras no país, foi objeto de requalificação realizada pelo Município da Trofa no âmbito de um contrato de subconcessão celebrado, em fevereiro de 2017, entre a autarquia e a IP Património.


Foto do Antigo Armazém da Estação Ferroviária da Trofa,
reinaugurado a 18 de agosto de 2018.


A intervenção decorreu em duas fases, primeira a inaugurada em junho de 2017, incluiu a requalificação do espaço canal com a criação de uma grande área pedonal, hoje Alameda da Estação e segunda abrangeu a reabilitação profunda de quatro edifícios associados à antiga estação, inlcuindo o Cais Coberto,e o Edifício de Passageiros, cuja recuperação visou as novas exigências funcionais e de conforto por forma a adaptar o edifício à sua nova condição de Centro de Atividades Culturais. Foi também recuperada a antiga casa do chefe de Estação e o antigo armazém que funcionará como cafetaria/restaurante. As obras tiveram o apoio de fundos comunitários e representam um investimento de cerca de 620 mil euros.


Foto do Alinhamento dos Edificios da Estação Ferroviária da Trofa,
reinaugurada a 18 de agosto de 2018.

Fontes:
jornaldenegocios.pt
grid.pt/
geocachingworld.blogs.sapo.pt/
pt.wikipedia.org/
infraestruturasdeportugal.pt/