Prémio Valmor em 1919 – Palacete Alfredo May de Oliveira – Demolido a 1961

Foto do Palacete Alfredo May de Oliveira , 1961

Numa data que não se consegue precisar, o Sr. Dr. Alfredo May de Oliveira teve a ideia de construir um palacete no terreno que possuía na Av. Duque de Loulé, nº 47. Para materializar as suas intenções mandou chamar o arquiteto Álvaro Machado. Alfredo May de Oliveira apresentou um projeto para licenciamento à Câmara Municipal de Lisboa, no dia 2 de Janeiro de 1918, para construção de uma moradia. Após a sua concretização, o sóbrio palacete foi distinguido com o Prémio Valmor em 1919.

O edifício estava em construção em 1919, quando no dia 17 de Janeiro do referido ano, foi apresentado um projeto de alterações de fachadas e outros pormenores para adaptação do piso térreo a estabelecimentos comerciais. No espólio doado, ao Museu do Departamento de Engenharia Civil e Arquitetura, Instituto Superior Técnico, há um desenho emoldurado (datado de 1918) de um capitel idêntico aos que decoravam parte dos vãos, do terceiro piso, desta moradia. Álvaro Machado ocupa todas as frentes neste lote de gaveto, com um pátio no interior. A verticalidade e elegância sugerida pelos vãos marcavam este edifício, contrastando com a horizontalidade da cimalha e vãos do terceiro piso. Após a sua concretização, o sóbrio palacete foi distinguido com o Prémio Valmor em 1919


Álvaro Machado foi autor de diversos projetos para bairros e moradias na zona de Lisboa, entre os quais se contam o Bairro das Roseiras, uma casa e o atelier em Algés para um escultor. Foi autor do túmulo dos Viscondes de Valmor em 1900, do Monumento aos Mortos da Grande Guerra em Lamego e possivelmente autor do Palácio do Comércio da Associação Comercial de Lisboa em 1917. Na capital portuguesa destacam-se ainda o atual Museu Bordalo Pinheiro, no Campo Grande, que recebeu a menção honrosa do Prémio Valmor, bem como o prédio já demolido na Avenida Duque de Loulé, n.º 47, que venceu aquela prestigiada distinção em 1919. Colaborou com Rosendo de Araújo Carvalheira no Sanatório da Parede, tendo desenhado a enfermaria de doenças contagiosas para aquela instituição.
Na década de trinta o novo proprietário, João Jorge Carlos Pinto, apresenta um projeto para alteração de fachadas e planta para converter o piso térreo em estabelecimentos comerciais. O projeto deu entrada no dia 19 de Outubro de 1934, o construtor civil, inscrito na Câmara Municipal de Lisboa segundo o número 75, foi Manuel Panto Nunes. No dia 23 de Setembro de 1961, o proprietário (João Manuel de Castro Júnior) pede licença de 30 dias para a total demolição do edifício.

Fontes:
maislisboa.fcsh.unl.pt
toponimialisboa.wordpress.com

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s